BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

segunda-feira, 22 de março de 2010

Contáctos realizados

  • Psicóloga escolar Ana Domingos;
  • Professora de Psicologia Fátima Barros;
  • Profissionais do ramo a moda:
    • José António Tenente;
    • Miguel Falcão;
    • Ana Salazar;
    • Marta Duarte;
    • Paulo Ribeiro;
    • Luís Buchinho;
    • White-tent;
    • Fátima Lopes;
    • Sandra Silva;
    • Katty Xiomara;
    • Andreia Lobato;
    • Luís Onofre; 
    • Felipe Oliveira;
    • Ricardo Dourado;
    • Nuno Baltazar;
    • Rita Bonaparte;
    • Anabela Baldaque.

domingo, 21 de março de 2010

A adolescência

    A adolescência provoca uma ampla e profunda desestruturação de todos os níveis da personalidade, seguida de um processo de reestruturação, que passa por oscilações nas formas de exprimir-se e apresentar-se, ao longo de vários anos. A atitude do meio (família e sociedade) em que se desenvolve a crise da adolescência, e factores da personalidade do indivíduo irão influenciar bastante este momento. Existem muitos seres humanos que, por razões de patologia social ou familiar, nunca passam por esta necessária crise e, portanto, nunca atingem os níveis superiores de maturidade seja intelectual, seja emocional. Quantas pessoas conhecemos que nos parecem eternos adolescentes, mesmo não tendo mais idade para tal?
Diante de tantas mudanças a “anormalidade” é normal nesta fase e a inquietude é a maior consequência. Contudo, essa inquietude provocará uma busca pela diferenciação de seus pais, de seus objectos da infância, e devido à ansiedade e crise geradas, a rebeldia desencadeará a desvalorização dos pais, a qual é necessária para que como dito acima o adolescente encontre seu lugar como indivíduo. Para tal diferenciação necessita negar o que até então foi um modelo seguido e imitado – os pais, para criar o seu próprio. Com suas crises e conflitos psíquicos o adolescente projeta essa sua confusão interior em seu meio familiar, fazendo com que todos desse ambiente adolesçam com ele. O adolescente também pode passar por momentos difíceis, nos quais diante de tantas ideias foge do mundo externo e se isola reflectindo sobre a sua inconformação. Esse estado é ideal para o seu próprio conhecimento, e para a acomodação das novas ideias.
No entanto, toda essa agitação resultará na identidade adulta após identificações, experiências familiares, sociais e pessoais. É saudável para o desenvolvimento psíquico a quebra de aprendizados morais, religiosos e o questionamento de tudo e todos.

Porquê tanta preocupação?


    Alguns adolescentes usam roupas da moda e de marcas pois sentem-se bem com esse tipo de vestuário, porém, a grande maioria utiliza esse tipo de roupa para não ser gozado pelos colegas ou para se sentirem superiores aos outros. Quando somos pequenos apenas podemos vestir a roupa que a mãe decide e conforme crescemos, as nossas opiniões tornam-se mais definidas e ambos os pais têm que chegar a um acordo com os filhos. Na adolescência sabem o que querem, e não se trata só de escolher a roupa, mas também de se afirmarem, mostrarem a diferença. Com a roupa e os penteados, assim como os adornos, procuram a sua própria identidade, reflectir uma personalidade única e original: apesar de na realidade os adolescentes se vestirem praticamente todos da mesma maneira, uma vez que o que querem é comunicar o que caracteriza a sua geração. Sentem-se orgulhosos da sua indumentária, porque instintivamente procuram que os seus companheiros os admirem e tenham reacções positivas em relação ao que trazem vestido e assim sentem-se apreciados por estarem de acordo com o resto do grupo. Estarem na moda acaba por ser um passaporte para a popularidade.

As influências

A moda é a tendência actual mais consumista e na adolescência torna-se obsessiva. Dá-se por tendências, influencias, identificação, personalidade, valores, e porta-se também como um veículo de expressão.

Os jovens hoje em dia são um alvo cobiçado pela publicidade, são vitimas comerciais as grandes marcas de roupa, telemóveis, jogos electrónicos, música contemporânea que não perdem oportunidade para agarrarem os que conseguirem.

No entanto, na moda existem também paradoxos: embora todos se queiram destacar não podem vestir-se ou apresentar-se de forma muito diferenciada ao ponto de não serem reconhecidos pelo grupo do qual fazem parte. Em busca da aparência perfeita assiste-se a um martírio junto aos espelhos.


Pais e adolescentes nem sempre estão de acordo




A adolescência é uma etapa de mudanças pessoais e familiares. Novas formas de pensar e sentir requerem alguns ajustes nas regras familiares, que se aceitem as novas formas de expressão dos jovens.

Frequentemente, ouvem-se com algum alarido gritos por parte de um ou ambos os pais: “Que vergonha tenho desse cabelo! Onde pensas tu que vais?”, ou “Essas calças estão rotas! Nem penses que sais assim de casa”, ou ainda”Credo! O que te aconteceu à saia? Pensas que vais mostrar as pernas a quem?”, etc.

Inclusive, nalguns gabinetes de psicologia é frequente ouvir as queixas dos pais ao psicólogo tal como “a minha filha cada vez se veste pior. Não entendo, eu eduquei-a a usar roupas bonitas e a combinar os sapatos com os vestidos”, “Porque gosta o meu filho de andar com roupa rota”, “Que devemos fazer, Sr. Doutor? Não há medicação para esta maluquice?”

Mas afinal, o que é normal? Esse é o ponto de desencontro entre os adolescentes e os seus pais, uma vez que cada um tem o seu ponto de vista do que se considera normal.

Os pais que enfrentam a adolescência dos filhos têm que procurar alternativas que permitam encontrar o ponto de intermédio entre a liberdade que a idade dos jovens tentam encontrar, e as normas que ainda têm que cumprir visto estarem dependentes das mesmas.

Um dos temas mais polémicos é a roupa: os pais têm obrigação de os ajudar na sua adaptação ao seu novo mundo social e às propostas do mercado, tendo em conta a necessidade de afinar os seus gostos, a sua responsabilidade para o cuidado da roupa e a sua capacidade de tomarem as suas próprias decisões.

Actividades previstas

    Com o objectivo de um estudo mais aprofundado sobre a influência da moda nos adolescentes do ponto de vista psicológico e social iremos aprofundar os nossos conhecimentos com a ajuda da psicóloga escolar Ana Domingues e também da professora de psicologia Fátima Barros. Do ponto de vista da influência das grandes marcas nos jovens gostariamos da colaboração de um profissional do ramo da moda que nos pudesse apresentar os seus conhecimentos e experiências vividas. De momento é uma das grandes dificuldades do projecto contarmos com a participação de um profissional que se encontre dentro do ramo.
    Após os estudos realizados pretendemos realizar um debate onde iremos apresentar as nossas ideias fundamentadas com a participação da psicóloga escolar Ana Domingues.

O que pretendemos...

    Com este projecto pretendemos compreender o que a moda representa na vida dos adolescentes de hoje em dia do ponto de vista social e psicológico e desvendar certos aspectos que nos motivaram na escolha deste projecto: O que leva os adolescentes a ligar tanto à roupa do dia-a-dia? O que é que os faz produzirem-se cada vez mais? Porque é que muitos jovens mudam os seus hábitos e a sua imagem para poderem integrar um determinado grupo? O que leva aos adolescentes a utilizar apenas roupa de marca "tipo"? Estas são algumas questões que pretendemos desvendar ao longo do projecto.
    Iremos realizar questionários com perguntas diversas sobre o tema com o propósito de um estudo mais aprofundado sobre este tema que tanto nos questiona.

Alteração de projecto




Ao avançarmos no nosso projecto(criação de uma marca de roupa) deparámo-nos com uma barreira. Apercebemo-nos que em termos monetários o nosso projecto exigia muito mais do que tínhamos em mente. Infelizmente é um problema que não conseguimos ultrapassar sozinhos. A partir do momento em que ‘abrimos os olhos’ para tal, partimos à procura de alguma espécie de patrocínio, colaboração monetária ou publicitária para o nosso projecto, coisa que nos foi impossível obter uma vez que o mercado está muito competitivo e difícil e, de momento, não existe nenhuma empresa disposta a apostar numa nova marca, num investimento que acaba por ser um risco… Ao tomarmos consciência da dificuldade da concretização do projecto lembrámo-nos de uma alternativa - a influência que a moda tem nos adolescentes de hoje em dia e o que os leva a usar um determinadas peças de vestuário, possivelmente a mesma razão que leva a nenhuma empresa investir numa nova marca. Pensamos deste modo, explorar este lado da moda respondendo a várias questões: O que leva aos adolescentes a usar apenas roupa de marca ‘tipo’? O que os leva a ter um estilo semi-padrão? O que fazem para serem aceites pelos outros ou para integrarem um certo grupo social? O que leva os adolescentes a ligarem tanto ao vestuário do dia-a-dia? Que tipo de valores e cultura influenciam os adolescentes a vestirem-se de determinada maneira?
            Pensamos então nesta ideia como alteração ao projecto anterior.